8.30.2010

Me peguei pensando hoje na depressão...
Sim, o ato de ficar deprimido.
Indo contra a maioria dos médicos, não creio que seja uma doença.
Pra mim é mais como uma maldição. Entenda, não aquelas pragas jogadas por bruxas ou duendes, mas, sim, pelo destino.
Ter nascido com o dom da inteligência é o problema.


É... tenham uma boa viagem.





Pensar demais faz com que nossa vontade, independente do foco dela, termine ou enfraqueça.
Não são os motivos que nós mundanamente damos, como perder a pessoa que amamos, não ter mais os pais ou ter brigado com um bom amigo que nos deixam com essa sensação. Acredito que nossa vontade de entender as coisas é o único motivo desse problema constante nos dias de hoje.
Claro, quando as coisas correm ao nosso favor, não pensamos em nada, só ficamos felizes e aproveitamos o momento.

Portanto, digo com firmeza que todas os problemas da nossa vida terminariam se nós simplesmente não pensássemos neles.

E, por favor, se estás pensando já em cães que se deprimem ou outros animais mais brutos que nós que, ao perderem algo que os trazia felicidade, sentem esses sintomas, perceba que esses animais dificilmente são seres completamente desprovidos de consciência. A inteligência existe neles. Não compreendê-los não é motivo para considerá-los seres sem espírito.
Assim como não sabemos o que se passa nem dentro da cabeça de irmãos, não sabemos o que se passa na mente de um animal.

Continuando...
Ponha-se na pior situação que você poderia estar agora e pense consigo o quanto as coisas estão ruins. A inspiração logo acaba, procuramos a solução num copo de bebida alcóolica, numa festa lotada de pessoas tão deprimidas quanto você, que querem parecer felizes e, muitas vezes, numa xícara de café forte, um cigarro e um violão pela madrugada adentro.
Agora pense: se você, simplesmente, ao estar nessa situação, não pensar muito a respeito, o que iria acontecer?
Nada! Absolutamente nada. Nem a felicidade e nem a tristeza tomariam conta de sua mente.

Seguindo a lógica, se temos um copo vazio, podemos escolher com o que completá-lo, logo, podemos escolher, simplesmente, não pensar nos problemas e sermos felizes.


Conseguem ver? A felicidade é algo tão simples...
Mas como não conseguimos tê-la a todo momento?


É, caros amigos, aí entra a inteligência mais uma vez.
Claro, a inteligência nos trouxe confortos, civilidade e muitíssimas outras coisas, todavia, a inteligência que nos deu todas esses bens foi focada e usada de maneira racional.

Claro, não sabemos usar a inteligência. Ela nos é, dentro das corretas proporções, como um braço invisível, além dos dois que temos, que existe para que possamos cumprir mais tarefas ao mesmo tempo, mas, como não sabemos usá-lo, ele acaba nos atrapalhando. Derruba as taças de cima da mesa e nos constrange diante dos outros.

Entenderam?

É... pra isso a inteligência serve. Textos inúteis em blogs e matérias estúpidas em revistas nós conseguimos entender, agora, nossa própria mente, não.


*largando o computador, batendo a porta atrás de mim e indo em direção à cozinha fazer café.*

-"Hmpf. Que existência patética."

Nenhum comentário:

Postar um comentário